sábado, 6 de outubro de 2012

Brasil no topo do consumo de agrotóxico





Lamentavelmente o Dossiê da ABRASCO – Associação Brasileira de Saúde Coletiva – Um alerta sobre os impactos dos Agrotóxicos na Saúde, nos aponta para uma grave situação que este modelo de desenvolvimento está nos impondo. Nos últimos três anos o Brasil está ocupando o primeiro, sim PRIMEIRO lugar no consumo de agrotóxico. Esse dossiê propõe fazer um alerta à sociedade e ao Estado Brasileiro dos graves impactos sobre a saúde da população brasileira com esse crescimento ascendente de uso de agrotóxico no nosso país, assim como da contaminação do ambiente.

Esse documento produzido por especialistas da área chama a nossa atenção para o fato de que esse descaso com a saúde pública é resultante de uma escolha por um modelo de desenvolvimento que prioriza a produção de bens primários para exportação. Ou seja, mais uma vez, em mais uma área das nossas vidas evidencia-se que o bem estar das pessoas é irrelevante para as definições de políticas públicas e os modelos escolhidos para o desenvolvimento das nossas cidades.

A necessidade de mudar essa perspectiva de desenvolvimento a qualquer custo, inclusive da própria saúde física e mental do ser humana, para quem essa política deveria ser direcionada, urge.

Os responsáveis por essas decisões, equivocadamente, acreditam que o ganho financeiro que esse modelo proporciona para alguns poucos, sendo que eles fazem parte dessa pequena parcela, representa um ganho positivo. Porém estão colocando em risco, suas próprias vidas e das suas pessoas mais próximas.

Evidentemente que nós todos somos responsáveis por essa situação quando apoiamos as suas implementações, seja através das nossas ações ou das omissões diante das mesmas.

Agimos como se estivéssemos hipnotizados por falsas promessas de uma felicidade pueril que o dinheiro, por si só, nos pudesse oferecer. O que será que faríamos se alguém nos oferecesse um copo de água e soubéssemos que ali foram colocadas algumas gotas de veneno? Certamente não tomaríamos. E por que continuamos acreditado que a bruxa de estória de Branca de Neve está nos oferecendo uma linda e saudável maçã? Como crianças inocentes, brincamos com coisas perigosas, atraídos pelas suas cores fortes e chamativas.

Assim procedemos com o modelo de educação que está posto para nossos filhos e netos, com os valores que são propagados pelos veículos de comunicação, pelo modelo de trânsito que transforma nossas vidas nesses verdadeiros infernos de engarrafamentos. Achamos normal ficarmos estressados pela exigência de dar conta de um ritmo de vida enlouquecedor.

Até quando seremos levados para o matadouro passivamente. E vejam que não proponho que busquemos mudanças a partir de atos violentos, podemos ter uma postura ativa e pacífica, Gandi é um bom exemplo disso. É interessante observarmos como pode parecer um monte de bobagem falar sobre isso. Como pode parecer fora de moda ou sem grande importância falar de viver bem e feliz. Questionar o “progresso” é inapropriado para as pessoas que desejam ser incluídas no mundo do trabalho, numa situação de sucesso, etc.

Espero que todos os nosso bebês possam segurar cartazes que digam “ Quero leite sem agrotóxico”.




1 Comentários:

Blogger Tania regina Contreiras disse...

Importantatíssima reflexão. A imagem da maçã da bruxa cabe tão bem, porque o que comemos hoje em dia é bem isso: por fora, uma perfeição, por dentro uma podridão.
Abraços,

12 de outubro de 2012 19:53  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial