quarta-feira, 12 de setembro de 2012

BRIGAR PELA VIDA E NÃO COM A VIDA


Ontem, voltando do sepultamento de um tio meu, no interior do Estado, comecei a refletir sobre as mudanças de planos que a morte impõe às pessoas. Para quem morre é uma interrupção imediata, definitiva e drástica de todos os planos e projetos. Para os demais os impactos são de proporções muito diversas. Desde uma mudança de agenda para participar de sepultamento até mudanças mais significativas, dependendo do grau de relação, etc.
Tinha recebido um convite para participar de um curso sobre dislexia com um "bam bam bam" do tema.  Como convidada, eu não teria nenhum custo e estaria adentrando numa área que começa a me interessar neste momento, a educação.
Acontece que a morte de meu tio jogou minha agenda e meus planos para as cucuias. Voltando do interior,lembrei-me do curso que estaria perdido para mim e pensei que este é o ano em que preciso aprender que não vale a pena brigar com a vida.
Alguns acontecimentos, refletidos sobre o olhar dos ensinamentos e práticas budistas, me levaram a compreender muito claramente que a vida tem uma dinâmica própria e que, se os nossos projetos e planos não estão em consonância com os “da vida”, não rola.
Observem que muitas vezes fazemos um grande esforço para realizar determinadas coisas e circunstâncias diversas mudam a rota e aquilo não acontece; outras tantas coisas nos acontecem sem grandes empreendimentos pessoais, é como se caíssem no nosso colo. A morte é a expressão máxima dessa dinâmica, mas sempre estamos submetidos a ela.
Antes de continuar falando dessas reflexões, preciso deixar claro que não estou falando de ficar na janela olhando a banda passar. Precisamos fazer nossos planos, escrever nossos projetos, esforçarmo-nos para realizar aquilo que acreditamos, pois a vida não caminha só. Entretanto não devemos gerar um apego a esses projetos, como se pudéssemos garantir a sua realização, mesmo quando tudo parece que vai acontecer.
Para mim o grande aprendizado que tenho conseguido é não permitir que as mudanças de roteiro me impactem de forma avassaladora. Ontem, por exemplo, ao perceber a impossibilidade de participar do curso, não fiquei remoendo aquela situação. Muitas vezes, mesmo quando não temos mais o que fazer, que as coisas já se definiram, ficamos remoendo o assunto mentalmente, lamentando, maldizendo a situação. Deixar passar por nós aquele episódio de forma calma é uma sabedoria.
Claro que, dependendo do nível de desejo que temos, a nossa expectativa aumenta e a frustração da não realização também; assim o impacto é maior.
 Mas, para mim, poder perceber essa dinâmica, que está para além do meu alcance, tem me poupado sofrimentos prolongados. Tenho aprendido a soltar as coisas que, de certa forma, já me escaparam. Se pensarmos bem direitinho, as vezes somos muito "cabeça dura". Ficamos presos, com nossos pensamentos, em coisas que já não têm possibilidade de acontecer, buscamos brechas onde não existem, saídas em portas cerradas. Com isto impossibilitamos a nós mesmos buscar roteiros novos, perspectivas novas, cegos que ficamos no que não é mais possível.
É como se aprendêssemos a nos mantermos equilibrados na prancha sobre as ondas. Se tentarmos levar a prancha num movimento contrário, vamos nos esborrachar. Precisamos  aprender a olhar qual é o movimento que se coloca para nós em cada momento e, para isso, é preciso parar, silenciar e perceber.
Estamos acostumados com o movimento contrário a isso, ou seja não parar, continuar agindo ininterruptamente, mexer cada vez mais para tentar controlar todos os pratos como o equilibrista do circo.
Meu convite, nesse meu recomeço de escrita para o meu blog, é aprender a diminuir o ritmo, parar mais diante da vida, porém sem acomodação.




2 Comentários:

Blogger Tania regina Contreiras disse...

Flexibilidade é a palavra. Boas reflexões essas. E eu precisava ouvi-las agora...rs Ser como o bambum, vergar com o vento sem partir.
Beijos,

12 de setembro de 2012 11:35  
Blogger Denis disse...

Excelente retorno! Adorei!
Pra mim, ficou forte o "aprender a soltar as coisas que, de certa forma, já me escaparam".
Ui...
E não nos abandone novamente!

14 de setembro de 2012 18:53  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial